Notícias e PLANO DE ACTIVIDADES para o ANO de 2005

Comissão Portuguesa de Voo Acrobático (Secção 6 - FAI)

Esta comissão tem desenvolvido inúmeros contactos com diversas entidades aeronáuticas, nomeadamente os Aero Clubes federados, INAC e Comissão Espanhola de Voo Acrobático e outras na perspectiva de desenvolver esta actividade em Portugal.

Realizou recentemente um curso de juizes de voo acrobático tendo como orientador o piloto / treinador internacional Vytautas Lapenas ex-campeão da URSS e da Europa, (actual piloto da equipa da Lituânia/treinador das equipas nacionais de acrobacia de Espanha, Itália, Lituânia). (Ver ficheiros associados: agenda, participantes, estrutura didáctica, resumo da parte teórica e fotos do evento).

Pretende-se continuar a divulgação desta actividade desportiva junto dos Aero Clubes federados, através de acções directas, site da FPA na Internet e revistas do sector aeronáutico como a Revista do Ar, Take Off e Sirius.

Por outro lado, pretende-se estabelecer o regulamento da actividade de voo acrobático desportivo de acordo com a FAI / CIVA, em articulação com o INAC. O modelo a seguir, actualmente em fase de draft, será similar ao da Federação Espanhola. O INAC tem já em fase de consulta, o "Regulamento de acrobacia aérea", que regulará esta actividade no domínio da certificação/qualificação de pessoal e das aeronaves.

Pretendemos também apoiar a organização de um curso para pilotos de acrobacia básica (categoria elementar e desportiva), numa escola de um Aeroclube federado, com participação/patrocínio de empresa da especialidade e/ou outra instituição com ligações regulamentares à actividade de acrobacia aérea.

As actividades prevista para 2005 são:

  • Curso básico de voo acrobático em Abril;
  • Apoiar a organização de um torneio de voo acrobático em Maio;
  • Hipótese de apoiar a organização de uma prova do campeonato Espanhol em Portugal;
  • Apoiar um piloto na participação do Campeonato de Espanha em 2005, estimulando assim a actividade nacional;
  • Continuar a desenvolver os contactos com as organizações competentes nacionais e estrangeiras.